20out

Fotofusão: qual o limite entre o real e o imaginário?

Durante a Idade Média, eram feitos desenhos nas paredes e nos tetos das igrejas católicas para ensinar e catequizar as pessoas.

Vários filósofos, incluindo Platão, eram contra essa metodologia. Acreditavam que as imagens não retratavam informações, pois não havia realidade nelas.

Defendiam que o conhecimento verdadeiro deveria vir de algo existente como a escrita e a oralidade.

Mesmo assim, a imagem ganhou força e o que era uma forma de representar a realidade passou a ser um tipo de realidade compreendida.

Ao voltarmos para o tempo atual, percebemos que esta herança ficou e que nosso mundo é totalmente imagético. Chegamos ao ponto que Feuerbach previu em seu livro “A essência do Cristianismo”, de 1843: “prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser”.

E não devemos pensar que isso é errado ou ruim, pois ao darmos mais espaço para a imagem, damos mais abertura para nossa imaginação, sem limitá-la.

Um bom exemplo disso são as melhorias nas técnicas de ilustração 3D e manipulação de imagens que estão tão avançadas que o real se mistura com o imaginário (virtual) e mal conseguimos perceber a diferença.

Veja na prática como estas imagens híbridas encantam os olhos e confundem a mente:

Como nestas representações gráficas feitas, aqui na Abruzzo, quantos de nós não tentou descobrir o que é real e o que é ilustração 3D?

Mas será que existe mesmo essa divisão: real e imaginário? Vamos analisar alguns fatos.  A primeira vista uma fotografia sem manipulação é real, certo? Errado.

A fotografia é a reprodução de uma realidade capturada através da luz. Mas considerando esta representação como um fragmento do real, outros elementos vêm à tona, como, por exemplo, se o dia está claro e no momento de fotografar é colocado um filtro, automaticamente aquele fragmento deixa de ser uma cópia fiel.

O mesmo acontece quando se fotografa algo em um fundo infinito para depois aplicar o ambiente: ali, a imagem é manipulada.

 

Então, no mundo das imagens não há nada real? Tudo depende do ponto de vista.

Ao verem uma imagem 3D fotorrealística, as pessoas se transportam para o mundo apresentado e vivem aquela experiência.

Para elas, as sensações e as imagens vistas faziam parte de sua realidade naquele momento. Por isso, podemos dizer que ao analisar uma imagem de fotofusão todos os elementos são verdadeiros.

A ilustração 3D é tão realística quanto a pessoa que está observando achar que for. Quanto mais imersão houver no mundo apresentado, mais real a imagem será.

Há quem diga que, num futuro próximo, poderemos ter experiências como as vividas pelos personagens principais no filme Avatar, ou seja, seremos capazes de vivenciar experiências físicas através de nossas mentes.

 

E você, o que pensa sobre o “universo do 3D”? Compartilhe com a gente sua opinião.

 

Publicado em: Institucional, Tendências
Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • Blogplay
17out

17 de outubro, Dia do Profissional de Propaganda.

Pode até parecer uma ironia, mas para falar do Dia do Profissional da Propaganda, vamos usar o velho clichê: Dia do Profissional da Propaganda é todo dia.

Assim como se diz das mães e dos pais, que deveriam receber os parabéns não apenas nos segundos domingos de maio e agosto, respectivamente, estes profissionais deveriam ser lembrados todos os dias. Afinal, em 24 horas, você convive com uma série de marcas, que muito provavelmente estão na sua vida graças ao trabalho diário destas pessoas.

Sem contar que a data, este ano, caiu numa segunda-feira, o dia mundial das reuniões de pauta nas agências e, principalmente, o dia de encarar aquele job que na sexta-feira parecia ter um prazo enorme. Com certeza, trabalhar com propaganda não é fácil.

Dá até pra arriscar a dizer que, sem paixão, entusiasmo e muita força de vontade, é quase impossível fazer isso todos os dias e ainda comemorar quando chega o 17 de outubro.

Na Abruzzo, nós temos muitos profissionais que sabem bem como isso funciona. Alguns com formação e atuação direta na área, outros que de alguma forma contribuem para viabilizar as ideias que vêm dos clientes.

No entanto, uma coisa todo mundo aqui do estúdio tem em comum com esse mercado: a imaginação sem limite.

 

Parabéns, profissionais de propaganda.

Com boas ideias, o mundo é muito melhor.


 

Peças assinadas pela JWT com imagens produzidas pela Abruzzo.

 

Publicado em: Institucional
Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • Blogplay
7out

Sabendo que era impossível, ele foi lá e fez.

Steve Jobs passou sua vida provando que não há limites quando uma ideia é boa.

Ele ensinou ao mundo que utopia é sinônimo de realização. E, por isso, se encaixa naquela pequena lista das pessoas que “pensam diferente”.

Por esse modo fora do comum de pensar e pelo esforço em realizar ideias “malucas”, Jobs se tornou uma grande referência para o mercado mundial, especialmente, para profissionais que atuam diretamente com criatividade, como publicitários, designers, arquitetos e outros artistas. Mais do que isso, Jobs criou ferramentas que facilitam a realização das ideias grandiosas que estas pessoas buscam o tempo todo.

Steve Jobs

Para quem não sabe (pois a essa altura já contaram tudo sobre sua história), Jobs foi o grande fundador e incentivador da Pixar, transformando-a na mais inovadora empresa de animação computadorizada do mundo e, aqui em nosso estúdio, uma referência diária para qualquer produção.

O Steve Jobs se foi, mas sua ousadia vai ficar pra sempre.

Uma homenagem de toda equipe Abruzzo.

#thankyousteve

Publicado em: Institucional
Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • Blogplay
5out

Novos rótulos da Lubrax levam ilustrações 3D desenvolvidas pela Abruzzo.

Trabalhar com fotografia publicitária e ilustração 3D é sempre um desafio, ainda mais sabendo que uma imagem não é simplesmente uma foto ou a captação visual de um objeto, mas algo que vai além da representação de uma idéia, de um conceito, tanto para quem produz, como para quem vende e consome. Neste universo, o 3D se apresenta como uma ferramenta interessante e criteriosa. Mais do que isso, como um caminho para a conquista da imagem perfeita.

 

Malha de um dos veículos modelados em 3D

Contudo, construir uma imagem de forma profissional não é um processo fácil. É preciso dispor de uma equipe qualificada que saiba usar de forma eficiente toda a tecnologia disponível. Num trabalho recente para a Gad Design, umas das maiores consultorias de branding e design do país, a equipe de especialistas em 3D do Estúdio Abruzzo desenvolveu os veículos que ilustram os rótulos das novas embalagens dos lubrificantes Lubrax.  A Gad foi a responsável pela remodelação completa da marca. Já o Estúdio ficou com o desafio de ilustrar modelos diferentes de veículos aos existentes no mercado.

Segundo Diogo Machado, artista 3D do Estúdio Abruzzo, os modelos foram ilustrados de acordo com o projeto idealizado pelo cliente e também com base em várias pesquisas. Em seguida, foram compostas as características técnicas da imagem, como tamanho, estilo, conceito do produto, cores, texturas, entre outros detalhes.

As imagens que ilustram os rótulos das novas embalagens dos lubrificantes Lubrax já estão em exposição nos postos de venda e podem ser vistos em todo o Brasil.

No Estúdio Abruzzo, o conceito de imagem vai além, supera limites, busca inovar sempre. Quer saber mais sobre ilustração 3D? Clique na imagem, conheça nosso portfólio e descubra que a imaginação não tem limites.

 

Ilustração em 3D para os novos rótulos da Lubrax.

 

 

Publicado em: Institucional, Portfólio
Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • Blogplay